10 de julho de 2017

A oração de devoção do Senhor Jesus.

E aconteceu que, como todo o povo se batizava, sendo batizado também Jesus, orando ele, o céu se abriu; e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és meu Filho amado, em ti me comprazo [Lucas 3:21-22].

Uma vez que Suas palavras não estão registradas, nós podemos deduzir pelos fatos descritos qual era o caráter da oração. Pode parecer estranho que Ele deveria ser batizado com o batismo de arrependimento de João (pois não tinha nada do que se arrepender). Mas foi a mais pura graça que O levou a assumir essa posição humilde em associação com aqueles que tinham pecado, o remanescente arrependido de Israel. Por meio desse ato, Ele assumia a responsabilidade de cuidar dos pecados deles, levando-os na cruz do Calvário — o mais temível batismo de morte imaginável (Lucas 12:50). Assim, Seu batismo nos fala de Sua devoção completa à vontade de Deus, não apenas em Sua vida de serviço, mas indo até a morte. Nós então podemos ter certeza que sua oração havia sido completamente consistente com esse ato bendito. O Pai responde em alegria e aprovação: não havia a menor possibilidade dEle falhar em Sua devotada missão de graça. Quanto a nós, apesar de estarmos conscientemente tristes no que diz respeito a qualquer responsabilidade a nós confiada, ainda assim uma oração de devoção submissa como a de nosso Mestre torna-se mais necessária antes que possamos prestar- Lhe qualquer serviço verdadeiro. Saulo de Tarso expressou isso de modo breve quando se encontrou com o Senhor Jesus: “Senhor, que farei”? (Atos 22:10). Em tal oração honesta, a alma pode renunciar à sua própria teimosia e tomar o jugo do Senhor Jesus. Que todo crente possa fazer essa oração, simples, honesta e decididamente com um firme propósito do coração.

 Fonte: Boa Semente. 

9 de julho de 2017

Os Salmos Messiânicos - Salmo 69.

Aqueles que me odeiam sem causa são mais do que os cabelos da minha cabeça... pois o zelo da tua casa me devorou... Deram-me fel por mantimento, e na minha sede me deram a beber vinagre [Salmo 69.4,9,21]. 


O Salmo 69 detalha os sofrimentos e as tristezas de Cristo durante Sua vida e Sua morte. O mesmo termina com a salvação, restauração e benção sobre Israel nos últimos dias: “Porque Deus salvará a Sião”. Três profecias desse Salmo são citadas no Evangelho de João. Versículo 4 é aludido pelo Senhor Jesus quando descreve o ódio humano contra Sua Pessoa: “Odiaram-me sem causa” (João 15:25). O estado chocante do coração do homem é revelado nas palavras: “sem causa”; a tradução literal dessa expressão é que eles o odiaram “livremente” ou “gratuitamente”. Versículo 9 foi lembrado pelos discípulos depois do Senhor ter purificado o templo expulsando os cambistas (João 2:13 17). Cristo tinha zelo que Seu Pai não fosse mal representado pelas ações perversas dos homens! Que zelo Ele tinha pela Casa de Deus! Versículo 21 nos fala da sede do Senhor na cruz. A oferta de vinagre que lhe foi feita também é citada em Mateus e Marcos (Mateus 27:34; Marcos 15:36); entretanto apenas o Evangelho de João inclui as palavras do Senhor: “Tenho sede” (João 19:28). Nesse Evangelho onde encontramos água por todos os lados: vasos cerimoniais cheios de água (João 2), a água do novo nascimento (João 3), o dom da água viva (João 4), o paralítico junto ao tanque de Betesda (João 5), o clamor do Senhor: “Se alguém tem sede, venha a mim, e beba” (João 7), e o cego junto ao tanque de Siloé (João 9). E apenas nesse Evangelho, onde a água da vida é oferecida aos sedentos espirituais, o Senhor clama: “Tenho sede”. Que todos os que leem isso bebam da água da vida que é oferecida de graça.

Fonte: Boa Semente.

8 de julho de 2017

Meditações sobre o Livro de Neemias.

Todos eles procuravam atemorizarnos, dizendo: As suas mãos largarão a obra, e não se efetuará. Agora, pois, ó Deus,fortalece as minhas mãos [Neemias 6:9].

As tentativas frustradas não desencorajaram Sambalate, Tobias e Gesém. Eles fizeram uma oferta hipócrita a Neemias: “Vem, encontremo-nos” (v. 2). O vale de Ono – ou dos Artífices (11:35), lugar do encontro, sugere um ato de colaboração com os inimigos do povo de Deus. Mas a oferta foi rejeitada, apesar das ameaças que a acompanharam pela quinta vez. Então outra armadilha é enviada por Semaías, um judeu. Com uma falsa profecia, esse agente inimigo tenta levar Neemias (que não era sacerdote) a desobedecer ao Senhor procurando refúgio no templo (v. 2 Coríntios 11:13; 1 João 4:1). Os fariseus agiram da mesma forma com o Senhor Jesus. “Retira-te e vaite daqui, porque Herodes quer matar-te” (Lucas 13:31). Eles (e Satanás por trás deles) tentavam amedrontar ao Senhor Jesus e afastá-Lo do caminho da fé que Ele intrepidamente decidiu trilhar até Jerusalém (Lucas 9:51).' O duplo ataque, frustrado pelo fiel Neemias, coloca o cristão em alerta contra dois extremos perigosos:
1. Alargar o caminho, trabalhando lado a lado com os que não se submetem à Palavra.
2. “Segregar” a si mesmo com arrogante e pretensioso sectarismo.


Fonte: Boa Semente. 

7 de julho de 2017

O Senhor Jesus veio ao mundo.

Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal (I Timóteo 1.15). 

Olhando para seu passado, um médico disse: “Minha mãe costumava orar bastante por mim; ela nunca perdeu a esperança que algum dia eu me voltaria para Deus”. Mas desde o primeiro ano dos meus estudos, as coisas foram rapidamente ladeira abaixo. Minha forma irresponsável de vida me obrigou a vender algumas coisas, das quais realmente não precisava. Uma delas foi a Bíblia que minha mãe me deu quando saí de casa. Depois, quando estava trabalhando como médico em um hospital, vi todo o tipo de sofrimento e miséria. Quando, ocasionalmente, entrei em contato com crentes verdadeiros, tinha que pensar em minha mãe e nos dias da minha juventude. Certo dia, um homem deu entrada com lesões graves. Sua condição era desesperadora, e ele sabia que ia morrer. Eu fui estranhamente tocado pela expressão feliz em seu rosto, pois eu sabia que ele estava experimentando uma dor insuportável. O paciente não tinha parente, e quando morreu, os poucos pertences que tinha foram separados na minha presença. A enfermeira daquela ala mostrou-me uma Bíblia. Que choque senti quando vi que era a Bíblia que minha mãe havia me dado! Meu nome ainda estava nela junto com o versículo escrito pela mão de minha mãe. O último proprietário havia, obviamente, lido bastante aquela Bíblia, pois muitas páginas estavam sublinhadas. Isso me causou outro choque. De repente vi toda a minha vida pecaminosa diante de mim. Não consegui descansar até aceitar o Senhor Jesus como meu Salvador e Senhor.

Fonte: Boa Semente. 

5 de julho de 2017

Perdão.

Reprodução.
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça [1 João 1.9].

O Senhor Jesus convida todos que não sabem que caminho seguir: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos... encontrareis descanso para as vossas almas” (Mateus 11.28-29). Ele também diz: “O que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora” (João 6.37). Todos os que se aproximam de Cristo, e admitem que suas misérias são resultado de suas próprias ações e confessam seus pecados sinceramente, recebem um perdão judicial de Deus. Isso quer dizer que o Juiz pronuncia tal pessoa livre do castigo eterno duma vez por todas. O perdão que Deus oferece a quem vem ao Salvador em arrependimento e fé, inclui todos os pecados: passados, presentes e futuros. Que maravilha, uma salvação eterna toda abrangente! “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8.1). Quando Ele morreu, todos os nossos pecados estavam no futuro. Ainda assim Ele carregou os mesmos e morreu por eles. Assim, o crente nunca mais precisa temer Deus como seu Juiz. Entretanto, os pecados que um filho de Deus, infelizmente, comete após sua conversão, prejudicam seu relacionamento com Deus, seu Pai celestial. Desse modo, o versículo de hoje se aplica também a nós que cremos. Se confessarmos nossos pecados a Deus, nós recebemos Seu perdão paternal. Ele nos perdoa como Seus filhos e restaura a comunhão entre Ele e nós que foi prejudicada. Nós precisamos dessa última forma de perdão, todos os dias, até o fim das nossas vidas.

Fonte: Boa Semente. 

4 de julho de 2017

As armas satânicas.

Sem estar consciente, a raça humana é confrontada por um terrível inimigo ao qual a Bíblia chama de Satanás, que é a palavra hebraica que significa: “adversário”. Do início da história humana, no jardim do Éden, Satanás sempre tem enganado as pessoas e continua a fazer isso, usando os mais variados artifícios (Efésios 6.11). Ele não hesita em atacar com as armas mais apropriadas, que vão desde a tentação e pecados grosseiros passando por elogios que adulam os mais nobres instintos. Entre essas nós encontramos:

1. Escravidão a paixões degradantes;
2. Uma cobiça tirânica nunca satisfeita, que conduz à violência, corrupção e avareza;
3. Práticas ocultas e o engano daqueles que fazem negócio com a saúde e a felicidade;
4. A escravidão ao mundo da internet e dos videogames, o redemoinho de eventos sociais: festas, entretenimento e jogos;
5. Uma sede pelo poder, honra ou a tirania dos negócios. Nada é negligenciado por Satanás. Ele explora cada inclinação, gosto ou fraqueza. Ele usa quaisquer meios, até mesmo aqueles que são dons de Deus, com objetivo de conduzir os indivíduos a consagrarem seus corações e vidas ao que ele oferece. Mas Satanás foi definitivamente vencido por Cristo e ele sabe disso. Agora o cristão tem o poder por meio da Palavra de Deus de repelir todos os seus ataques: “Sujeitá-vos a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tiago 4:7).

Fonte: Boa Semente.