Mostrando postagens com marcador História do Cristianismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador História do Cristianismo. Mostrar todas as postagens

14 de agosto de 2015

A vida simples de Macrina.

Justo Gonzalez

A verdadeira felicidade não está nas glórias deste mundo, mas em servir a Deus. E podemos servir muito melhor quando nos desembaraçamos de tudo que nos prende ao mundo. A vestimenta e a comida deviam ser simples. A oração, constante. Em outras palavras, Macrina propunha uma vida semelhante à que levavam os monges do deserto.

12 de agosto de 2015

Serviço cristão.

Ambrósio de Milão.

Deus ordenou que todas as coisas fossem produzidas, de modo que houvesse comida em comum para todos, e que a terra fosse a herança comum de todos. Por isso a natureza produziu um direito comum a todos; mas a avareza fez disso um direito de alguns poucos.

11 de agosto de 2015

Credo de Nicéia.

Credo sobre Jesus Cristo

E (cremos) em um Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, gerado como o Unigênito do Pai, isto é, da substância do Pai, Deus de Deus, luz de luz, Deus verdadeiro, gerado, não feito, consubstancial com o Pai.

18 de julho de 2015

Surgimento do termo "capela".

Martim e seus companheiros estavam entrando na cidade de Amiens quando um mendigo seminu, tiritando de frio no meio da neve, lhes pediu uma esmola. Martim não tinha dinheiro para lhe dar, mas tomou sua capa, rasgou-a em duas partes, e lhes deu uma metade. Nesta noite Martim viu em sonhos Jesus Cristo envolto em sua meia capa, dizendo-lhe: "tudo o que fizestes a um destes pequeninos irmãos, a mim o fizeste". Este episódio ficou tão famoso que a partir de então Martim geralmente é representado repartindo sua capa com o mendigo. Além disto deriva deste episódio nosso termo "capela", pois algum tempo depois era conservada em um pequeno templo o que se dizia ser a meia capa - a "capela" de Martim - e daquele pequeno templo nossas "capelas" e nossos "capelães" de hoje derivam seu nome.  

GONZALEZ, Justo L. Uma história ilustrada do Cristianismo: a era dos gigantes. p. 75. São Paulo: Vida Nova, 1995.