5 de julho de 2017

Perdão.

Reprodução.
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça [1 João 1.9].

O Senhor Jesus convida todos que não sabem que caminho seguir: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos... encontrareis descanso para as vossas almas” (Mateus 11.28-29). Ele também diz: “O que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora” (João 6.37). Todos os que se aproximam de Cristo, e admitem que suas misérias são resultado de suas próprias ações e confessam seus pecados sinceramente, recebem um perdão judicial de Deus. Isso quer dizer que o Juiz pronuncia tal pessoa livre do castigo eterno duma vez por todas. O perdão que Deus oferece a quem vem ao Salvador em arrependimento e fé, inclui todos os pecados: passados, presentes e futuros. Que maravilha, uma salvação eterna toda abrangente! “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8.1). Quando Ele morreu, todos os nossos pecados estavam no futuro. Ainda assim Ele carregou os mesmos e morreu por eles. Assim, o crente nunca mais precisa temer Deus como seu Juiz. Entretanto, os pecados que um filho de Deus, infelizmente, comete após sua conversão, prejudicam seu relacionamento com Deus, seu Pai celestial. Desse modo, o versículo de hoje se aplica também a nós que cremos. Se confessarmos nossos pecados a Deus, nós recebemos Seu perdão paternal. Ele nos perdoa como Seus filhos e restaura a comunhão entre Ele e nós que foi prejudicada. Nós precisamos dessa última forma de perdão, todos os dias, até o fim das nossas vidas.

Fonte: Boa Semente. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário