11 de julho de 2017

O peitoral do juízo.

Também porás no peitoral do juízo Urim e Tumim, para que estejam sobre o coração de Arão, quando entrar diante do Senhor: assim Arão levará o juízo dos filhos de Israel sobre o seu coração diante do Senhor continuamente [Êxodo 28:30].

Essa é a quarta instrução no livro de Êxodo que o Senhor disse que deveria ser praticada continuamente. O peitoral do juízo era parte do éfode sacerdotal. Era através do Urim (“luzes”) e do Tumim (“perfeições”) — possivelmente pedras preciosas, que eram guardadas em uma bolsa ou bolso do peitoral — que o Senhor tornava Seus pensamentos conhecidos. Exatamente como, nós não sabemos, mas era o sumo sacerdote que usava essas pedras para receber uma resposta de Deus. Um exemplo negativo disso pode ser aprendido da história do rei Saul, que não recebeu uma resposta apesar do sacerdote ter usado o éfode (1 Samuel 14). A palavra Urim, começa com a primeira letra do alfabeto hebraico, enquanto Tumim começa com a última. Isso pode indicar que independentemente da situação, Deus era capaz de dar uma resposta por meio do sacerdote a quem Ele havia ordenado. O Urim e o Tumim estavam vinculados com o julgamento (a declaração do que é certo, o julgamento dos filhos de Israel). Elas estavam no peitoral, sobre o coração do sumo sacerdote, pois seu julgamento não pode ser separado do coração. Isso nos lembra de que: “Deus é luz”, sustentando aquilo que é certo e também que “Deus é amor”, pois o peitoral do julgamento era levado sobre o coração. Isso acontecia “diante do Senhor”, na presença de Deus que tinha um relacionamento especial com o povo que havia redimido. O Novo Testamento nos ensina que o Senhor Jesus está agora na presença de Deus de onde nos sustenta, intercede por nós e cuida dos direitos de Deus com relação ao Seu povo.

Fonte: Boa Semente. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário