19 de fevereiro de 2015

Igreja em Células (introdução).

As duas asas
Tal qual uma ave, também a Igreja necessita de duas asas para voar. A primeira é a asa dos pequenos grupos caseiros, das células, chamada de asa comunitária. Esta asa trabalha no varejo alcançando as pessoas lá onde elas convivem umas com as outras no cotidiano. A outra asa, igualmente importante, é chamada de asa da celebração, da reunião dos pequenos grupos no grande grupo da celebração semanal. Ela trabalha no atacado, nas grandes colheitas. Os recém-nascidos são abrigados e amamentados no calor dos berços dos grupos caseiros. Ali aprendem a falar e a caminhar, recebem os cuidados ternos até se tornarem jovens aptos a serem também novos pais para cuidarem com carinho dos nossos netinhos. As duas asas para alçarem grandes vôos necessitam de uma perfeita harmonia. Durante cerca de 1.700 anos a Igreja tentou alçar vôos com uma só asa, mas ficou girando em círculos. Mas, pela graça de Deus, hoje se pode novamente alcançar as alturas, as regiões celestiais propostas por Ele, pois as portas do inferno não resistem, de lá se liberta os cativos e oprimidos para serem remidos pelo sangue do Cordeiro, Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador.

Trabalhos de impacto
Todo servo de Deus, realmente chamado e comissionado para trabalhar na sua seara, tem o desejo ardente de ver o crescimento do Reino através de vidas ganhas, arrebatadas das mãos do "inimigo". Para isso muitos trabalhos de impacto têm sido realizados, grandes séries de conferências com "pregadores famosos", distribuição farta de literaturas, campanhas e mais campanhas visando ganhar um grande número de almas em duas ou três noites. Trabalhos em massa e grandes campanhas têm o seu valor, como teve no dia de Pentecostes quando cerca de 3.000 almas foram salvas, permanecendo fiéis com números próximos a 100%. Havia algo de muito especial que a grande maioria das Igrejas hoje não coloca em prática, algo esse verificado no ministério de Jesus. Atualmente esse tipo de trabalho serve mais para fazer publicidade de igrejas, gravadoras, pregadores e artistas gospel. Perdendo quase que totalmente o seu significado.

O impressionante crescimento inicial da Igreja.
Em tudo o Senhor Jesus foi exemplo para nós nos três anos e seis meses de seu ministério terreno. Ele mesmo liderou um pequeno grupo com mais 12 homens do povo, ensinando-os e passando com eles a maior parte do tempo de seu ministério terreno. Havia comunhão naquele pequeno grupo, os problemas que surgiam eram expostos e resolvidos, pois havia transparência entre eles. Os doze não aprendiam na base da teoria, experimentavam na prática as lições do dia a dia. Esse pequeno grupo foi a primeira célula (célula protótipo). Além dos doze, muitas outras pessoas foram alcançadas, havendo cerca de 120 pessoas no Pentecostes; Cada discípulo foi multiplicado por 10. Os judeus já estavam preparados, pois tinham ouvido os ensinamentos, visto os sinais e maravilhas operadas, estavam evangelizados. Deste modo vemos os 3.000 do Pentecostes como uma grande colheita operada por homens cheios do mesmo Espírito que habitou em Jesus.
O prosseguimento dessa obra resulta em uma Igreja constituída essencialmente de pequenos grupos  ou  igrejas caseiras. Reuniam-se nas casas e no templo dos judeus, no templo apenas até a morte de Estêvão, somente em pequenos grupos até meados do III século DC. Em tempos de perseguição dos líderes judaicos a princípio e do império romano depois, foi praticamente impossível aos cristãos se reunirem em massa, em grandes ajuntamentos. Cremos que em certas ocasiões isso acontecia, quando das visitas de Paulo, dos apóstolos e outros líderes. No cotidiano se reuniam apenas em lares, quase sempre às escondidas, sendo perseguidos, servindo de espetáculo nos circos romanos, vivendo nas catacumbas, florestas e lugares ocultos. Mas a Igreja crescia em números impressionantes, tanto que o próprio império romano aparentemente foi obrigado a se curvar ao cristianismo. Aí satanás mudou sua estratégia contra a obra redentora de Jesus.

O império romano curva-se ao Cristianismo, ou foi o inverso?
Só nos tempos de Constantino, imperador de Roma, no século III DC é que os templos vão ser construídos e, pouco a pouco, as festas, costumes e deuses pagãos foram "cristianizados" tornando-se o "cristianismo" religião oficial do império. A partir daí novas práticas de culto foram introduzidas e a igreja "romanizada", perdendo a cada dia suas características neotestamentárias. São criados o clero e as liturgias já não era a mesma Igreja de Jerusalém. Surge aí a Igreja Romana. Nos dias em que a Igreja chamada cristã perde sua verdadeira identidade, prostituindo-se com os ídolos e práticas greco-romanas (Idade Média), os pequenos grupos ainda são encontrados através da história (montanistas, valdenses, lolardos, anabatistas, e outros), permanecendo fiéis, embora marginalizados, e agora perseguidos não apenas pelo Império, mas também pela religião oficial e seu clero. Reuniam-se em montanhas, florestas e cavernas onde muitos viviam perseguidos, massacrados e aniquilados. "Homens dos quais o mundo não era digno". Não se curvaram a homens, preferindo antes obedecer a Deus.

A reforma começa com pequenos grupos.
A reforma religiosa iniciada por Martinho Lutero e prosseguida por outros reformadores começa com pequenos grupos nos lares. O próprio Lutero disse: "Para você crescer na fé, você deve participar de um grupo pequeno". Os pietistas, um grupo luterano, reúnem-se até hoje em pequenos grupos. Wesley também inicia o metodismo em reuniões caseiras. As Igrejas reformadas, entretanto logo se agruparam em templos onde praticamente todas as reuniões passaram a se realizar. Não conseguiram livrar-se de algumas tradições. Não negamos o valor real e histórico desempenhado até hoje pelas Igrejas Protestantes, mas o mundo todo já teria sido alcançado pelo evangelho se o modelo da Igreja Iniciante houvesse sido restaurado fielmente.

Os pequenos grupos sobrevivem ao comunismo.
Ainda na antiga União Soviética (Rússia, Polônia, Hungria, Letônia, etc.) e até hoje na China, com a proibição de reuniões religiosas pelo regime comunista, os crentes se reuniam nos porões das casas em pequenos grupos (Igrejas Caseiras ou Células, "a Igreja Subterrânea"). Hoje a China, mesmo sob o comunismo, é o país de maior crescimento numérico do evangelho apenas e tão somente através das Igrejas Caseiras.

Atualmente podemos voltar a crescer rapidamente.
No presente século, principalmente após os anos 50, muitos líderes preocupados com o crescimento real do reino de Deus, passaram a estudar, sob a orientação do Espírito Santo, com mais carinho a Igreja em seu início neotestamentário para conhecerem o segredo de seu rápido crescimento.
       Jerusalém alguns anos antes de sua destruição pelo império romano no ano 70 contava com cerca de 50% de sua população convertida (quando da destruição os cristãos já haviam dela saído), e em toda a Judéia havia então cerca de 100.000 cristãos. Antes do final do primeiro século praticamente todo o mundo conhecido já tinha ouvido o evangelho. Convém lembrar que os meios de comunicação e locomoção eram muito precários quando comparados com os atuais. Também não existiam seminários teológicos, aprendia-se na prática do dia a dia, o barulho era extremamente controlado, nem mesmo contavam com o Novo-Testamento (os evangelhos e as cartas foram endereçados às Igrejas-Caseiras ou seus líderes). Hoje nós temos tudo isso e é claro que devemos usá-los enquanto podemos. No entanto, a Igreja-Iniciante reunindo-se em lares gozava da comunhão do primeiro amor, do poder do Espírito Santo e da compaixão pelas almas perdidas, e isto fazia e faz até hoje a diferença. 
         O tempo dos "grandes servos" de Deus, das "estrelas", dos "chefões" e "gurus", já era. No Reino de Deus não há lugar para os líderes que negociam benefícios materiais com o mundo em nome de "suas" igrejas ("currais"). Tais quais Esaú trocam bênçãos espirituais por favores materiais. Temos presenciado os movimentos liderados por "grandes evangelistas" fracassarem, não se achando os seus frutos reais. O verdadeiro evangelista é aquele que vai de casa em casa, de pessoa em pessoa, individualmente, levando o evangelho de Jesus Cristo com a mensagem de salvação e libertação. Jesus continua a dizer: "A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Peçam, pois, ao Senhor da seara que envie trabalhadores para a sua seara" (NVI - Mateus 9.37 e 38).

A igreja na Coréia do Sul.
           O coreano Paul (Dave) Yonggi Cho começou a igreja apenas com um grupo familiar. Hoje a igreja dele tem cerca de oitocentos mil membros. Apesar de diferenças teológicas isso mostra que a igreja em células funciona e é o método deixado pelos apóstolos nos grupos familiares. 

Fonte: Missões Elroi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário