17 de novembro de 2014

Melhor do que outrora.

Data: 08.11.2014 | Lugar: Igreja Batista em Vila Macedo, Piraquara – Paraná.
Tema: “Melhor do que outrora”.
Fonte: SPURGEON, Charles.
Texto: “Fá-los-ei habitar-vos como dantes e vos tratarei melhor do que outrora e sabereis que eu sou o SENHOR” (Ezequiel 36.11).

Introdução: Para os hipócritas e formalistas aproxima-se um fim; mas os verdadeiros filhos de Deus se levantam depois de quedas e declínios. Conforme diz o profeta (ver Miquéias 7.8). Bênção maior do que aquela que perderam pode ainda ser concedida aos errantes recuperados.

1. O que havia de tão bom outrora? Como a terra de Israel, no começo, manava leite e mel, assim nosso primeiro estado tinha em si riqueza singular.
1.1 Desfrutávamos de um vívido perdão gratuito e pleno;
1.2 Conquistávamos repetidas vitórias sobre as inclinações pecaminosas e as tentações externas; e isto nos fazia jubilosos em Cristo;
1.3 Sentíamos grande deleite na oração, na Palavra, na comunhão, etc.;
1.4 Éramos abundantes em zelo e serviço, e a alegria do Senhor era a nossa força.
            Lemos acerca dos “primeiros caminhos de Davi” (II Crônicas 17.3). Somos instados à prática de nossas “primeiras obras” (Apocalipse 2.5).

2. Pode desfrutar de algo melhor que outrora? Certamente que sim, se o Senhor cumprir essa promessa; é certo que ele cumprirá, se andarmos mais intimamente com Ele,
2.1 Nossa fé será mais forte, mais firme, mais inteligente;
2.2 Nosso conhecimento será mais pleno e profundo;
2.3 Nosso amor será mais constante, prático e paciente;
2.4 Nossa oração será mais prevalecente;
2.5 Nossa utilidade será mais ampla, mais permanente;
2.6. Nosso ser será mais maduro.
            Devemos brilhar mais até ser dia perfeito (Provérbios 4.18).

3. Como podemos desfrutar dessa melhora?
3.1 Devemos voltar à nossa primeira fé simples em Jesus;
3.2 Devemos abandonar os pecados que nos alienaram de Deus;
3.3 Devemos ser mais perfeitos e sérios;
3.4 Devemos buscar comunhão mais estreita com Cristo;
3.5 Devemos lutar mais resolutamente para progredir nas coisas divinas.
            Admitiremos a liberdade de nosso Deus! Ele promete tratar-nos melhor do que outrora. Que mais pode Ele fazer?

Considerações Finais: os tratamentos de Deus com seu povo são melhores no final: podem ser muita bondade e misericórdia pela manhã, mas terão muito mais ao entardecer. “Fá-lo-ei habitar-vos como dantes”. Os judeus tinham o melhor vinho no final; antes, tinham leite e mel, mas o banquete das coisas gordurosas, cheias de tutano, e dos vinhos velhos, bem clarificados, foi oferecido a eles no final de seu dia; finalmente, tinham a Cristo e ao Evangelho.
            A princípio, Abraão tinha muito no mundo, e depois dele, seu filho Isaque. “Assim abençoou o Senhor o último estado de Jó mais do que o primeiro”. Simeão, em seus últimos dias, via a Cristo e o segurou em seus braços (William Greenhim).
            Aqueles que não voltam aos deveres que negligenciaram, não podem esperar voltar ao conforto que perderam (G.S. Bowes).
            Médico realmente capaz é aquele que, encontrando um homem extremamente aflito, não somente tem êxito em restaurar-lhe a saúde, mas, na realidade, põe-no em melhores condições do que antes, tratando com o seu remédio não somente a doença que lhe causou o sofrimento, mas alguma outrora que está mais profunda, contudo raramente percebida pelo paciente.
            Tal é a medicina da misericórdia. De modo gracioso, Deus lida com os pecadores que se arrependem. Deve ser pior que um irracional aquele que transforme isso num argumento para pecar. O verdadeiro filho de Deus sente em seus olhos lacrimejarem, quando pensa em amor tão superabundante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário