14 de julho de 2014

Indicadores de qualidade dos serviços em saúde e intervenção do psicólogo.

Job. Nascimento

            Para um planejamento institucional, organização, coordenação e identificação de qual intervenção médica ou psicológica serão mais efetivas é imprescindível medir a qualidade e quantidade em programas e serviços de saúde. Aqui são avaliados na medição os resultados, processos e a estrutura necessária ou utilizada, bem como as influências e repercussões promovidas no meio ambiente.

Informações são imprescindíveis para a administração de qualquer empresa, principalmente quando transformadas em indicadores que se prestam a medir a produção de programas e serviços de saúde bem como estabelecer metas a serem alcançadas para o bem-estar da população (BITTAR: 2001, p. 21).

            No que tange a função dos indicadores, eles medem aspectos qualitativos ou quantitativos que estão relacionados com o meio ambiente, com a estrutura, com os processos e resultados: meio ambiente se refere aos aspectos relacionados às condições de saúde de uma determinada população, aqui são avaliados os aspectos demográficos, geográficos, educacionais, socioculturais, econômicos, políticos, existência ou não de instituições de saúde; a estrutura é a parte física de uma instituição, os seus funcionários, equipamentos e aspectos ligados à organização; os processos são atividades de cuidados que são realizadas para um determinado paciente ou grupo; os resultados são a demonstração dos efeitos conseqüentes da combinação de fatores entre o meio ambiente, estrutura e processos acontecidos ao paciente depois que algo é feito ou não a ele ou a um grupo.
            Bittar (2001) argumenta que para os indicadores sejam encarados como válidos é necessário ter alguns atributos necessários: validade, sensibilidade, especificidade, simplicidade, objetividade e baixo-custo.
            Um indicador que está intimamente ligado com a intervenção do psicólogo em saúde e, consequentemente ligado ao estágio realizado no Lar de Meninas Pinheiros são os indicadores de estrutura, processo e resultado. De acordo com Soller (2011, p. 596):

Esta abordagem de três dimensões para avaliação da qualidade em serviços de saúde é possível porque boa estrutura aumenta a probabilidade de bom processo e bom processo aumenta a probabilidade de obter melhorias na saúde e bem-estar dos indivíduos ou populações, ou seja, bom resultado. Desta forma deve-se deduzir que condições estruturais podem ser tanto desfavoráveis quanto condutivas ao bom cuidado, não se podendo afirmar, entretanto, se o cuidado, em função destas, será bom ou ruim.

O trabalho realizado com as crianças do lar Pinheiros objetivou trabalhar a afetividade e cooperação dentro do grupo, no entanto, se verificou uma enorme competição entre as meninas. Neste sentido Bosi (2007, p. 157) afirma que “O reconhecimento do plano dialógico como espaço de humanização das práticas não se refere apenas ao resgate de demandas subjetivas, afetivas, no plano das singularidades”. De acordo com Bleger (1989) é possível que o indivíduo absorva um enriquecimento ou até mesmo empobrecimento de constituir-se como ser humano, através da instituição em que frequenta, o psicólogo deverá realizar atividades que venham enriquecer e desenvolver esse sujeito, fazendo-o identificar-se com os colegas e instituição.
A Casa-lar é responsável pelo reconhecimento da constituição do cidadão, é através desta educação que lhes é transferida que fará com que a criança aprenda o funcionamento social, conscientizando-as que poderão brevemente ir para um lar onde terão de conhecer outras pessoas chamá-las e aceitá-las como pais, irmãos. Desta forma, os indicadores dês estrutura, processo e resultados foram extremamente importantes no que tange a uma avaliação da instituição sob a ótica da intervenção do psicólogo, especialmente porque “refere-se, ainda, à construção de novos horizontes para as práticas avaliativas em saúde a partir do reconhecimento das demandas subjetivas adormecidas pela distância e alienação” (BOSI: 2007, p. 157). No estágio realizado na casa lar, tendo em vista os indicadores supracitados, conclui-se que a intervenção do psicólogo se dá através de uma educação não linear onde esta não está seguindo uma lógica de causa e efeito, permitirá a reflexão, a criação e a inclusão do novo na vida do individuo, ela acaba com as dicotomias entre teoria e prática, sujeito e objeto, e constrói uma nova forma de relacionamento entre as pessoas.

Referências:

BLEGER, J. Psico-higiene e Psicologia Institucional. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BOSI, Maria Lúcia Magalhães. Avaliação da qualidade ou avaliação do cuidado em saúde? Revista Saúde Pública 2007; 41 (1): 150-3.

SOLLER, Schelle Aldrei de Lima da. Uso de indicadores de qualidade para avaliação de prestadores de serviços públicos: um estudo de caso. Revista de administração em saúde. Rio de Janeiro 45 (3): 591-610, Maio/Jun. 2011.


BITTAR, Olímpio J. Nogueira. Indicadores de qualidade quantidade em saúde. Revista de Administração em saúde. Vol. 3, n. 12 – Jul-Set, 2001.

Nenhum comentário:

Postar um comentário