8 de abril de 2014

Não adianta falar.

De cada 100 vezes que ando de carro, pelo menos 99 delas é no banco do passageiro. Mesmo gostando muito de dirigir, não tenho mais paciência com o trânsito e a falta de educação, por isso fico como espectador.
E é nessas horas que dá para observar situações como essa. Essa foto foi tirada na Rodovia Raposo Tavares, uma conhecida e perigosa via de São Paulo. Não obstante o piloto dessa moto estar na estrada com tênis cano baixo, bermuda e camiseta, ele ainda achou válido andar por cerca de dois quilômetros usando o celular com uma das mãos, e com fone de ouvido.Ou seja: ele não estava ouvindo o que acontecia ao redor, não estava vendo e também não estava prestando atenção.
Como bem disse um amigo certa vez: “Capacete fechado com essa vestimenta e estilo de pilotagem, serve só pra reconhecer as feições do defunto.”
Mas o que esse piloto não sabe, e provavelmente nunca vai saber, é que ele quase sofreu um acidente. Fica difícil explicar em palavras como foi a situação, mas o resumo é que um carro que saía de uma zona de aceleração, quase bateu na traseira dele enquanto mudava de faixa, e como o piloto estava no celular, nem percebeu que poderia ter sido atropelado! Foi coisa de centímetros, e ele seguiu tranquilamente, sem ter a mínima noção que escapou por um triz.
Aí você se pergunta: qual é a lição de moral do post? Nenhuma, caro amigo. Estou chegando a conclusão de que não adianta falar.
Fonte: Old Dog Cycles.