17 de janeiro de 2014

A Nascente.

Ayn Rand

O caráter de um homem é o produto de suas premissas, precisei definir e apresentar os tipos de premissas e valores que criam o caráter de um homem ideal e que motivam suas ações. Isso significa que tive que definir e apresentar um código ético racional. Como o homem atua entre outros homens e lida com eles, precisei apresentar o tipo de sistema social que torna possível a existência e o funcionamento do homem ideal – um sistema livre, produtivo e racional que exige e recompensa o melhor de cada homem, e que é, obviamente, o capitalismo laissez-faire.
            Não é da natureza do homem – nem de nenhuma entidade viva – começar já desistindo, cuspindo na própria cara e amaldiçoando a existência; isso requer um processo de corrupção cuja rapidez varia de homem para homem. Alguns desistem ao primeiro toque de pressão; se vendem; outros definham através de graus imperceptíveis e perdem sua chama, jamais sabendo quando ou como perderam. No entanto, alguns pouco resistem e seguem adiante, sabendo que a sua chama não deve ser traída, aprendendo a dar-lhe forma, propósito e realidade. Mas qualquer que seja seu futuro, as pessoas buscam uma visão nobre da natureza do homem e do potencial de existência.
            Não importa que apenas alguns em cada geração entendam e alcancem a realidade total da estatura apropriada ao homem – e que o resto a traia. São esses poucos que movem o mundo e dão à vida seu significado – e é a esses poucos que eu sempre procuro me dirigir. O restante não me diz respeito; não é a mim ou A Nascente que eles traem; é às suas próprias almas.