10 de setembro de 2011

"Simples e Comum"

Nascido em família abastada, John Robert Walmsley Stott era filho de sir Arnold Stott, médico da família real. Criado na Igreja Anglicana com as três irmãs, ele fez sua decisão por Cristo aos 18 anos de idade. A mente privilegiada levou-o à prestigiada Universidade de Cambridge, onde graduou-se em letras. Ali, conheceu a Aliança Bíblica Universitária e sentiu o chamado para o pastorado. Formou-se em teologia no Seminário Ridley Hall e logo assumiu o púlpito da Igreja Anglicana All Souls ("Todas as almas"), onde ministrou durante três décadas, sempre disponível às ovelhas apesar da agenda cada vez mais apertada.

Capelão da Coroa Britânica entre 1959 e 1991, foi neste período que o ministério de Stott atingiu seu maior esplendor. Protagonista do movimento conhecido como Evangelho Integral, ele organizou, na companhia de Billy Graham e outras lideranças, o Congresso Internacional de Evangelização, em Lausanne (Suiça), em 1974. O evento entrou para a história da Igreja Cristã por lançar as bases de uma abordagem da fé inteiramente contextualizada à sociedade, sem, contudo, abrir mão dos princípios basilares do Evangelho, consubstanciada no Pacto de Lausanne. Fundou ainda o Londo Institute for Contemporary Christianity, em 1982.

John Stott escreveu cerca de 40 livros e percorreu o mundo como convidado especial em cruzadas, congressos e solenidades. Esteve no Brasil duas vezes. Numa delas, reuniu cerca de 2 mil pastores no Congresso Vinde em 1989, com outro tanto do lado de fora por falta de espaço. Em todas estas viagens, sempre recusou hospedagem em hotéis cinco estrelas. Não costumava nem repetir refeições. "Quando comemos um segundo prato, alguém está deixando de comer o primeiro", dizia. Tudo a ver com alguém que, ao morrer, possuía apenas um sítio e um apartamento definia dessa maneira o que é ser evangélico: "É ser um cristão simples e comum".

Fonte: Cristianismo Hoje

Nenhum comentário:

Postar um comentário