23 de junho de 2011

Habeas-Corpus

Por Noel Rosa

No tribunal da minha consciência 
O teu crime não tem apelação 
Debalde tu alegas inocência 
Mas não terás minha absolvição

Os autos do processo da agonia
Que me causaste em troca ao bem que fiz 
Correram lá naquela pretoria 
Na qual o coração foi o juiz

Tu tens as agravantes da surpresa 
(E) Também as da premeditação 
Mas na minh'alma tu não ficas presa
 Porque o teu caso é caso de expulsão 

Tu vais ser deportada do meu peito 
Porque teu crime encheu-me de pavor 
Talvez o habeas-corpus da saudade 
Consinta o teu regresso ao meu amor

Nenhum comentário:

Postar um comentário