18 de abril de 2011

O mundo de Deus é o nosso mundo?

Por Job. Nascimento

TEXTO: Salmo 19
ESTILO: Devocional

INTRODUÇÃO:

Esse é um salmo de autoria de Davi. Naquela época, como em nossa época, os jovens costumavam dá vazão à suas idéias e sentimentos através da música. Salmos são canções. Em muitos salmos vemos evidenciados em sua letra orações, pranto, lamento, gritos de euforia e por socorro, arrependimento. Por isso, podemos afirmar seguramente que os salmos compreendem a totalidade da vida de Israel. Este salmo de número 19 mostra o caráter polifônico da mensagem divina. Nele o salmista canta que a criação proclama a grandeza de Deus através de sua linguagem muda, de simplesmente existir. O jovem Davi quando apascentava as ovelhas de seu pai se aprofundou em dois livros: a Natureza e a Escritura. A biblioteca de Davi estava repleta com apenas dois livros, livros esses que eram suficientes para o conhecimento de Deus. Enquanto a Natureza evidencia a grandeza de Deus, as Escrituras mostram como devemos reverenciar essa grandeza através de nosso louvor e obediência. O livro-mundo nos ensina através da experiência e o livro-palavra nos ensina através da assimilação do entendimento pela via da leitura.

I – As coisas criadas mostram a glória de Deus

I.I – Tudo que existe na natureza: céus, terra, vento, fauna flora e cia ltda. Mostram, louvam e agradecem à grandeza de Deus. De forma inconsciente e instintiva eles adoram a Deus. Sem ordem, sem doutrinamento e sem liturgia, adoram com a sua existência e com toda a sua força.

I.II – O homem também é criatura de Deus e feitura de suas mãos. No entanto, Deus deu-lhe a capacidade de adorá-lo de forma racional, espontânea e livre. E deu-lhe também o direito de ser chamado "filho de Deus". Porém, o homem subjuga a natureza, mas não é capaz de aprender com ela a adorar à Deus. Deus nos chama a cada dia a adorá-lo com nossos atos, assim como a natureza, que nossas vidas venham a cantar aos quatro cantos que Deus é Senhor sobre todas as coisas, sobre nós inclusive.

II – A palavra mostra graça

II.I – As escrituras são perfeitas e iluminam o entendimento dos simples. Ela restaura a alma. Ensina o homem o caminho que ele seve seguir. Mostra-lhe o Caminho: Jesus. Ela admoesta o homem, trás à luz os seus pecados e mostra-lhe que ele é miserável, pobre, cego e nú sem o Senhor.

II.II – Obedecer os mandamentos das Escrituras é amar à Deus. O salmista canta que "a lei do senhor é mais doce do que o meu e o destilar dos favos".

III – Davi ora por Graça

III. I – O homem por causa de sua natureza caída tende a errar até em seus acertos. Tende a ser egoísta até nos seus atos de bondade. E consequentemente tende a ser soberbo até na "obediência" aos mandamentos do Senhor, e nesse ponto Davi ora/canta por graça para que o Senhor o livre.

III.II – Davi pede graça à Deus, pois ele percebe que: "quem pode se absolver de suas próprias faltas?", ele clama para que Deus o perdoe e absolva não somente das faltas mais escrachadas e gritantes, mas também daquelas que lhe são ocultas.

ILUSTRAÇÃO

Não é nada agradável encontrarmos ao pé da página de um interessante artigo a palavra: "continuará". No entanto, é uma palavra maravilhosa quando se aplica a outros assuntos. Que consolo é lembrar que a misericórdia do Senhor continuará! E todos os volumes que registram os feitos da graça de Deus fazem apenas parte de uma longa série que... continuará!

CONCLUSÃO

Que venhamos usar nossa inteligência não somente para produzir coisas que venha reduzir o tempo de algumas tarefas, para passarmos em concursos concorridos e nos voltarmos para nós mesmos e dizermos o quanto temos conhecimentos. Mas vamos usar nosso conhecimento para reconhecer a grandeza de Deus e a feitura de suas mãos e o adorarmos racionalmente. Pois, não é "Deus que é digno de nossa adoração" somente, mas ele "nos deu o prazer de adorarmos à Ele de forma espontânea, livre e racional. Ele contiuará sendo grande sem nossa adoração, mas nós não seremos muita coisa se não o adorarmos. Mesmo que nossos pecados pareçam nos impedir de sentir a presença de Deus ou venha nos dá a impressão de que Ele está distante de nós. Lembre-se que a misericódia do Senhor continuará... Que tenhamos isso bem firme em nossas mentes e que possamos também dizer para Ele que a nossa adoração nesta vida e na eterna continuará...

REFERÊNCIAS

BÍBLIA SAGRADA. Almeida revista e Atualizada. 2 Edição. Barueri-SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2008.
SPURGEON, Charles Haddon. 200 Ilustrações. 3. Edição. Ourinhos-SP: Edições Cristãs, 1989.

Nenhum comentário:

Postar um comentário