27 de julho de 2017

Jesus Cristo, Crucificado.

E eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado [1 Coríntios 2.1-2].


Quem é o Senhor Jesus? Um judeu, um simples carpinteiro, que só fez o que era bom. Mas Ele foi condenado à morte e crucificado. Ainda assim, Ele deixou Sua marca na história do mundo, como nenhum outro foi capaz. Para alguns Ele é um Homem sábio, outros O chamam de Mestre, outros ainda de Profeta. Como foi que aconteceu que esse Homem que viveu em pobreza, vindo de uma cidade sem importância na terra de Israel, que nunca escreveu um livro nem procurou se impor aos outros, tornou-se a Pessoa mais conhecida de toda a história? Por que tantos, nos dias atuais, estão preparados para segui-Lo, mesmo ao custo de suas próprias vidas? Através dos séculos homens, mulheres e crianças sem número têm entrado num relacionamento pessoal com o Senhor Jesus. Eles viram em Cristo alguém muito maior que apenas um mestre ou um profeta. Eles ouviram Sua mensagem e reagiram à mesma. Como resultado chegaram a conhecê-Lo como Aquele que Ele realmente é: verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, perfeito em amor e verdade. Eles O aceitaram como Salvador. Sua vida e morte, Sua ressurreição e Sua mensagem abriu para eles uma nova perspectiva de vida. Cada um de nós pode conhecer o Senhor Jesus. Ele nos amou. Portanto, Ele não apenas diz o que queremos ouvir, mas o que precisamos ouvir. Ele deseja nos salvar, e não nos julgar. Então, leia o evangelho, as boas-novas que são para você! Creia no Senhor Jesus; Ele é o Salvador tanto para você quanto para mim.

Fonte: Boa Semente. 

26 de julho de 2017

A união da igreja com Cristo.

Somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos. Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja [Efésios 5:30-32].

O mistério especial entregue ao apóstolo Paulo é o da Igreja como corpo e noiva de Cristo. Por que, pode se perguntar, isso foi mantido em segredo? Porque é algo celestial, assunto dos conselhos celestiais de Deus, enquanto o propósito das profecias do Antigo Testamento é revelar seus conselhos terrestres. É de grande importância mostrar quão completamente a Igreja encontra-se fora do mundo. Ela tem uma origem diferente, ela é revelada em um tempo diferente, ela contempla uma esperança diferente e pertence a uma esfera diferente. Em vez de herdar as promessas do Antigo Testamento e cumprir suas profecias, ela forma o mais absoluto contraste com essas coisas, que a mente humana pode conceber. Elas são tão diferentes que as duas não podem coexistir. Enquanto as promessas de Deus acerca da terra estavam sendo descortinadas, o mistério da Igreja continuava escondido. Quando o mistério da Igreja foi revelado, os propósitos acerca da terra foram suspensos. A Igreja está associada com Cristo no céu; Israel está associada com Ele na terra. A Igreja O conhece em Seus sofrimentos e paciência; Israel irá conhecê-Lo em Sua exaltação e poder. A Igreja se regozija nEle como a noiva com seu noivo. Israel irá se regozijar nEle como uma nação com Seu soberano. A Igreja olha para Ele, que irá levá-la para o céu. Israel olha para Ele para se estabelecer na terra. Esse é nosso bendito lote, tal é nossa porção celestial, em contraste até mesmo com o mais favorecido povo terrestre. Tenhamos cuidado para que nossos corações percebam nossa maravilhosa posição!

Fonte: Boa Semente. 

25 de julho de 2017

O preço da expiação.

Foto: Graça Plena. 
Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele... Mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos [1 Timóteo 2:5-6; Isaías 53:5-6].

O Salmo 22 inicia com uma pergunta que chama atenção: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Quem faz a pergunta é um crente, pois Deus é o Seu Deus. Quem é ele? Davi, o autor do Salmo? Nós podemos ler sua história nos livros de Samuel e vermos o mesmo atravessando grandes tribulações, cometendo erros graves, mas nunca abandonado por Deus. Estaria ele falando de outro crente de seu tempo, que experimentou ter sido abandonado por Deus? Não podemos descobrir ninguém. Além disso, Davi disse: “Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo” (Salmo 37.25). A resposta à essa questão pode ser encontrada em Mateus 27.46: a única pessoa justa a ser desamparada foi o Senhor Jesus. Ele foi desamparado na hora de Sua maior aflição, quando, estava pendurado na cruz. Ele glorificou a Deus da forma mais maravilhosa. Que mistério insondável! Por que Deus desamparou Seu próprio Filho? Foi porque Ele tomou sobre Si nossos pecados, tornando-se pecado por nós. Toda a nossa culpa foi colocada sobre Ele, e Deus julgou o nosso caso na Pessoa do Senhor Jesus que recebeu a sentença que nós merecíamos. Deus desejava nos salvar. Para que Sua vontade pudesse ser cumprida, fosse feito jus as Suas justiça e santidade, tal sacrifício foi necessário — Cristo morreu por nós.

Fonte: Boa Semente. 

24 de julho de 2017

A Palavra de Deus.

Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a enviei [Isaías 55:11].


Depois de anos de árduo trabalho a tradução estava terminada. O Novo Testamento estava pronto para ser impresso em outra linguagem indígena, falada nas montanhas do México. Uma celebração foi realizada como um tributo para a ocasião. A seguir um homem jovem que não sabia ler, ajudou com a limpeza. Para sua surpresa, encontrou um dos Novos Testamentos que havia sido presenteado durante a celebração, no meio do lixo. “Esse livro é mesmo lixo?” Ele perguntou ao governador do distrito. “Esse livro não vale nada!” Foi a resposta atravessada. Entretanto, aquele jovem homem pediu se podia ficar com o Novo Testamento e teve a permissão para guardá-lo. Com esse Novo Testamento ele aprendeu a ler. Não foi nada fácil já que tinha pouca ajuda. Além disso, o tom de seu idioma variava e era demonstrado na impressão por meio de figuras, de tal maneira que pudesse ser lido e entendido. Mas seu interesse foi despertado e ele percebeu mais e mais, quão valioso e verdadeiro o livro era. Quanto melhor ele conseguia ler mais absorvia do conteúdo. Dessa forma, chegou a conhecer o Senhor Jesus, o Filho de Deus como Seu Salvador pessoal e tornou-se um cristão. Logo ele se encontrou com outros homens jovens para lerem juntos a Palavra de Deus e trocarem ideias sobre a mesma. Seu desejo é que as pessoas de sua vila consigam a aprender a ler o Novo Testamento e reconheçam quão grande é o amor de Deus por eles.

Fonte: Boa Semente. 

23 de julho de 2017

Os Salmos messiânicos - Salmo 102.

Desde a antiguidade fundaste a terra, e os céus são obra das tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permanecerás; todos eles se envelhecerão como um vestido; como roupa os mudarás, e ficarão mudados. Porém tu és o mesmo, e os teus anos nunca terão fim [Salmo 102:25-27]


O Salmo 102 descreve graficamente as aflições e a desolação do Messias (vv.1-11). O pardal é uma criatura social, mas o Messias é como um: “pardal solitário no telhado”. O Senhor Jesus foi abandonado pelos Seus discípulos e rejeitado pelo Seu povo, mas essas coisas são pequenas quando comparadas com a indignação e a ira da cruz. A expiação não é apresentada nesse Salmo, mas nós vemos o Messias sofrendo a favor de Israel — Ele morreria pela “nação” (João 11:51). O resultado é visto nos versículos 12- 22, onde temos a restauração de Israel e a vinda do Senhor: “Quando o Senhor edificar a Sião, aparecerá na sua glória”. Então algo extraordinário acontece diante de nós quando o Messias diz: “Abateu a minha força... abreviou os meus dias” (v.23). O Messias seria “cortado” (Daniel 9:26; Isaías 53:8). Como poderia existir um reino sem a existência de um Rei? O mistério é resolvido quando lemos que Seus “anos são por todas as gerações” e que Ele não é outro senão o próprio Senhor, o Criador! O comentário divino desses versículos encontrase em Hebreus 1:10-12. A própria Criação irá envelhecer e perecer, mas Cristo permanece “o Mesmo” e Seus anos não têm fim (vv. 26-27). “O Mesmo”, é um título divino que significa: “Aquele que É e não muda”. Nós podemos colocar nossa confiança nEle no meio de um mundo sempre em mutação. “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente” (Hebreus 13:8).

Fonte: Boa Semente. 

22 de julho de 2017

Meditações sobre o livro de Neemias (Neemias 7.61-73).

O meu Deus me pôs no coração que ajuntasse os nobres, os magistrados e o povo, para registrar as genealogias [Neemias 7.5]


Neemias decidiu em seu coração realizar o censo do povo. Usou os registros das famílias feitos no primeiro retorno a Jerusalém. Portanto, os versículos 6 a 73 quase repetem o capítulo 2 de Esdras. Encontramos nele, por exemplo, os descendentes do homem que “se casou com uma das filhas de Barzilai, o gileadita, e que foi chamado pelo nome dele” (v. 63). Barzilai foi o ancião rico e respeitado que supriu Davi e seus companheiros em Maanaim (2 Samuel 19:32). Aqui descobrimos que seu genro, apesar de ser um sacerdote, já havia trocado o próprio nome, pois escolhera ser chamado pelo nome do sogro, o que lhe conferia um status bem maior. Quais foram as consequências desagradáveis? Os descendentes desse homem foram excluídos do sacerdócio devido à impureza. Tenhamos cuidado de não abandonar nossos privilégios cristãos em razão da busca pela proeminência. Haverá maior dignidade e nobreza que pertencer à família de Deus, ao “sacerdócio real”? Esse censo enfatiza o contraste com o da época de Davi! Somente a tribo de Judá naquele tempo contava com 470 mil homens capazes de manejar a espada, dez vezes mais que agora. O essencial, porém, não são os números, mas a fidelidade!

Fonte: Boa Semente.