19 de janeiro de 2019

Meditação sobre o livro de Salmos.


As “horas de tribulação” descritas nos Salmos 9:9 e 10:1 serão apavorantes. Luxúria, orgulho, incredulidade, traição, violência… Estas características, já presentes no mundo hoje, atingirão o ápice quando “um que agora o retém… do meio seja tirado” (o Espírito Santo que habita o Corpo de Cristo; 2 Tessalonicenses 2:7, 8) e venham os dias do anticristo, cujo retrato sinistro é traçado nesses versículos. No entanto, tudo o que o ímpio faz de modo secreto, astucioso e malicioso, por pensar que “não há Deus” (vv. 4, 13), será revelado. E o que diz “em seu coração” (vv. 6, 11, 13) será proclamado por Aquele que sonda os corações (Lucas 12:3). “Não serei abalado” (v. 6), aqui é a linguagem do tolo, mas também pode ser a linguagem da fé (Salmo 62:6). Saber que Deus vê todas as coisas encoraja o homem de fé quando ele é provado; o pobre pode entregar-se à Ele (v. 14). E o versículo 2 contém outra verdade tranquilizadora: o ímpio sempre será apanhado em suas próprias armadilhas (Salmos 7:15; 9:16). O Salmo 9 encerra com a afirmação de que as nações são formadas por meros homens. O Salmo 10 termina chamando o “malvado e ímpio” de “homem da terra”. Filhos de Deus, jamais nos esqueçamos de que nós pertencemos ao céu, e por causa disso estamos fora do alcance deste mundo e de seu príncipe, ainda que soframos as consequências de estarmos aqui.

Fonte: Boa Semente. 

18 de janeiro de 2019

Paz com Deus: nossa prioridade.

Pirro, o rei de Épiro (306-272 a.C.) é famoso por suas vitórias sobre os romanos. Uma de suas vitórias foi conseguida por meio de grandes perdas humanas, a ponto dele exclamar: “Outra vitória como essa e nós estamos perdidos!”. Daí temos a expressão “vitória pírrica” que significa sucesso obtido a um alto preço.
  Ele geralmente conversava com o filósofo Cineas, que um dia lhe perguntou o que ele esperava de suas guerras com os romanos:
  “Eu espero conquistar toda a Itália.”
  “E depois disso?”
  “Nós conquistaremos Cartago, a África, a Grécia, a Macedônia e muitos outros países.”
  “E quando você tiver conquistado o mundo?”
  “Então viveremos em paz.”
  “Ó rei! Por que não começar com a paz?”
  A paz tem sido um dos grandes objetivos entre as nações e uma ilusão entre os seres humanos que se recusam submeter-se a Jesus Cristo. Como um contraste, existe outro tipo de paz que não depende de esforços humanos, mas que procede apenas de Deus: é a paz que o pecador recebe de nosso santo e justo Deus, a paz alcançada por Jesus Cristo por meio de Seu sangue derramado na cruz (Colossenses 1:20).
  Caro leitor, você não gostaria de conhecer essa paz interior que pode ser obtida por receber, pessoalmente, a Jesus como Salvador, como Aquele que te ama e deseja que você experimente a verdadeira alegria?

17 de janeiro de 2019

Jesus prometeu que voltará.

Esse versículo é tomado da parábola que o Senhor Jesus contou acerca do bom samaritano. Nessa história, nós reconhecemos como o amor de Deus alcança, de forma misericordiosa, os perdidos. Do mesmo modo como o sacerdote e o levita não quiseram ajudar o homem que havia sido vítima de ladrões, a lei (que apresenta os mandamentos de Deus para nós) também não pode nos ajudar. Ela só pode nos acusar. Dessa parábola, entretanto, aprendemos que Jesus Cristo não veio apenas para nos salvar de nossa condição miserável. Ele cuida de nós até alcançarmos nosso objetivo final.  Ele nos conduz para a hospedaria, uma ilustração da Igreja, a qual todo crente pertence. A hospedaria nos fala de segurança, e é isso que o Senhor deseja oferecer a todos os que obtêm a mesma fé preciosa juntamente conosco. Depois do que o Salvador realizou — muito mais do que podemos expressar — a nosso favor ao suportar a cruz e a morte, Ele assume a responsabilidade pelo custo do tempo de Sua ausência. Ele irá nos conduzir ao nosso destino; cuidando de nós, mesmo estando no céu. Ele nos deixa aos cuidados do hospedeiro. Isso aponta para Deus, o Espírito Santo, que habita na Igreja e está preocupado com o bem-estar de cada indivíduo. Jesus Cristo voltará. Ele prometeu voltar para nos tomar para Si mesmo. Que maravilhoso triunfo da misericórdia de Deus será quando isso acontecer!
Fonte: Boa Semente. 

16 de janeiro de 2019

Deus enviou seu Filho.

“O Todo-Poderoso não enviou um anjo para nós vindo do céu, mas Seu próprio Filho, o Criador, o arquiteto de todo o universo, Aquele que expandiu os céus em toda a sua extensão e fixou os limites do oceano; Ele também é Aquele a quem as estrelas obedecem. O Filho de Deus veio de Deus, tendo sido enviado aos homens como o Salvador. Ele não veio com o objetivo de nos julgar, apesar que chegará o dia quando Ele será o Juiz; então, quem será capaz de suportar Sua presença? Esse momento ainda não chegou devido à imensa paciência de nosso Deus, o qual, permanece imutável como sempre. Ele concebeu um plano em Sua mente, o qual confiou apenas para o Seu Filho. Em primeiro lugar, Ele mostrou que o homem, por seus próprios esforços, não pode entrar no reino de Deus. Então, no tempo determinado, Jesus tomou sobre Si o fardo dos nossos pecados e deu Sua vida como resgate por nós; Ele, o Santo a favor dos desobedientes, o Homem perfeito pelos ímpios, o Justo pelos injustos. O que, além de Sua justiça, poderia ter eliminado todas as nossas injustiças? Quem, além do unigênito Filho de Deus, poderia fazer dos ímpios e dos pagãos pessoas justas? Foi uma obra inimaginável e uma manifestação insuperável da graça! A culpa duma multidão de homens e mulheres foi carregada por uma única Pessoa justa, e o Justo transformou incontáveis pessoas culpadas em justas.” (Esse texto foi extraído duma carta escrita por uma pessoa desconhecida do século II d.C. para certo Diógenes). 
Fonte: Boa Semente. 

15 de janeiro de 2019

O dom inefável de Deus.

O conceito bíblico de pecado, representa uma ofensa contra Deus e contra Sua vontade, um desvio da conduta que Deus espera. “O pecado é a transgressão da lei”, i.e., nós fazemos nossa própria vontade sem considerarmos a vontade de Deus ou de outras pessoas. Se uma proibição expressa existe, o pecado é a transgressão da mesma. O pecado de Adão consistiu em desconsiderar o mandamento de Deus que proibia comer da árvore do conhecimento do bem e do mal (Gênesis 2:17).   Entretanto, no primeiro período subsequente à queda, por meio do pecado, não existiam mandamentos. Mesmo assim, as pessoas pecaram, mas não “à semelhança da transgressão de Adão” (Romanos 5:14). Tais pessoas viviam de forma independente de Deus. Desse modo, eles morreram como Adão. Mais adiante, Deus deu a Israel a lei do Sinai por meio de Moisés. Novamente as transgressões aconteceram. O pecado se manifestou como pecado (cf. Romanos 7:13), i.e., o mesmo poderia ser nominado e apontado. Mas com a lei, como em Israel, ou sem lei, como as nações pagãs, “todos que sem lei pecaram, sem lei também perecerão” (Romanos 2:12). O pecado teve sua origem não na raça humana, mas no Diabo, pois, “o diabo peca desde o princípio” (1 João 3:8). Mas o pecado entrou no mundo por meio do homem, e com ele “a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (Romanos 5:12).  “O salário do pecado é a morte”, mas o evangelho prossegue: “mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 6:23). “Graças a Deus, pois, pelo seu dom inefável” (2 Coríntios 9:15).
Fonte: Boa Semente. 

14 de janeiro de 2019

Por trás da máscara.

O texto bíblico de hoje nos fala de Deus, nosso Criador, que é capaz de enxergar por baixo da superfície. Seus olhos escrutinadores penetram diretamente nas profundezas do nosso ser. Ele está ciente de nossos pensamentos e planos, e pode avaliar os motivos que estão por trás daquilo que dizemos e fazemos. Além disso, nós somos responsáveis de prestar contas por todas as coisas diante dEle, que nos conhece por completo, conforme afirma a última sentença do versículo. É muito possível que nunca tivemos problemas com a lei. Temos nos comportado corretamente em nosso local de trabalho e temos relações amistosas com todos os outros seres humanos. Mas o que dizer de sentimentos de inveja e ciúmes? Será que nunca torcemos a verdade para nos livrar de algum constrangimento diante de outras pessoas? E quantas vezes o egoísmo foi o verdadeiro motivo de nossas ações? Existe Alguém que registrou tudo isso. Nós não podemos escapar dEle. Agora ouça com verdadeiro assombro: apesar de Deus conhecer tudo acerca de você e de mim, Ele nos ama. Em Seu amor Ele encontrou uma forma de pôr em ordem essas coisas, de tal maneira que não precisamos temê-Lo como nosso Juiz. Seu Filho, Jesus Cristo, veio a esta terra como um Homem e estava preparado para ser chamado para prestar contas a Deus a nosso favor. Com Sua morte sacrificial na cruz Ele liquidou a questão da culpa para todos aqueles que creem nEle como seu Salvador. Que graça maravilhosa Ele tem demonstrado!

Fonte: Boa Semente.